Caixa de busca

Últimas matérias

Menina é rosa e menino é azul!!!

s 16:02


No âmbito dos universos feminino e masculino, as representações de gênero ou seja, diferenças de sexo, se evidenciam também no campo das brincadeiras. Existem atividades recreativas que são consideradas pela sociedade como “tipicamente masculinas”, e em geral mais  violentas, como, por exemplo, futebol e luta, e para as meninas, atividades mais dóceis que não causem sofrimento ou dor, como brincadeira de  “casinha”, de  boneca, entre outros.

Culturalmente, existe uma diferença significativa no tratamento do menino e da menina, desde o seu nascimento. Os pais, avós, tios e outras pessoas que convivem com a criança são herdeiros de valores que persistem e perpetuam uma  cultura de valorização do gênero e das escolhas que lhes são respectivas, tais como na vestimenta, nas brincadeiras, nos hábitos, etc.
Para que estes estigmas sejam quebrados, rompidos, é preciso refletir e agir, a fim de  transformar estes valores em função das prioridades no bom desenvolvimento de nossas crianças. Ela, independentemente do sexo explora os brinquedos, em busca de conteúdos simbólicos, significados e representações da sociedade.  Portanto, não importa se o brinquedo tem característica feminina ou masculina.
Existe uma preocupação muito grande por parte dos pais com a orientação sexual dos filhos, principalmente com a do menino. Se este brinca com boneca, por exemplo, pode ser entendido como um tendência  homossexual e, no entanto, isto não é fator decisivo para a orientação sexual da criança.
            O que não deve faltar às crianças é a oportunidade de experimentar todos os tipos de brincadeiras inclusive as rotuladas com o masculino ou feminino. Ribeiro (2005) explica que meninos e meninas são realmente diferentes, mas essas diferenças, porém, não podem ser entendidas como desigualdades. No entanto, a linguagem dos pais evidencia nitidamente estas desigualdades, quando usam diminutivo para se referirem às meninas (delicadinha, princesinha) e aumentativo para os meninos (filhão, garotão, fortão).
            Geralmente os meninos são vistos pela família, professoras e avós  como barulhentos, relaxados e que não choram por qualquer coisa, já das meninas e mais comum, esperar que sejam  choronas, emotivas, delicadas e disciplinadas.
 Essa diferença de educação  se deve à natureza ou à cultura? Será que os genes ou os hormônios podem explicar por que o bebê menina verá a vida em rosa e o bebê menino em azul?
Dessa forma, o que se percebe é que as diferenças entre os meninos e as meninas são muito mais culturais, do que naturais e portanto resultado de uma visão distorcida e até mesmo preconceituosa que trouxemos da própria educação que tivemos.

Vamos deixar nossas crianças brincarem mais a vontade???

Gostaram?


Postado por: Jocimara Francetto
E-mail: jocimara.francetto@gmail.com - Casada, mãe de um casal de Gemelares
Psicopedagoga e especialista em Educação Sexual. Orientadora educacional, colunista na Revista APM (Associação Paulistana Medicina). E colunista dessa coluna Criança e Sexualidade.

Gostou? Compartilhe! 
Comentrios
0 Comentrios

0 comentrios:


Postar um comentário

Obrigada pela visita em breve retribuirei!

Blogroll - Mães Blogueiras

Inscreva-se:  

Decoração

Receitas

Vida de Mãe

 
Pin It button on image hover