Caixa de busca

Últimas matérias

Família Gemelares da Semana - Por Josiane Rovaris

s 08:30

"Calma querida não tem nenhum problema, eu estou escutando 2 corações. Gelei, sentei na cama, chamei ele de louco, para tudo Doutor vamos começar de novo..."


Depois de 2 anos de casada  resolvi parar de tomar o anticoncepcional e tentar outra gravidez. Tenho um garotão de quase 17 anos o Pedro Henrique (do meu 1ºcasamento), na época com 15 anos. Então fizemos alguns exames (tomei muitos anos anticoncepcional de uso contínuo), o médico disse que estava tudo normal, marido e eu com todos os exames em mãos, fomos as tentativas.

Passado 1 ano, comecei sentir uns enjoos, uma salivação, numa quinta feira resolvi fazer um teste de farmácia dando resultado negativo pela manhã. No outro dia voltei fazer o teste pois aquele dia já acordei enjoada e ai comprovamos a gravidez. Para tirar todas as dúvidas, fui rapidinho no laboratório próximo ao meu trabalho constatar com um exame de sangue, e lá repetiu-se o tão esperado POSITIVO. 



A alegria tomou conta de todos na família, pois estávamos tentando a tão esperada gravidez. Papai Sandro não tinha palavras, pois papai de primeira viagem já viu né? Fui ao médico e já realizei vários exames e o mesmo solicitou um ultrassom sendo que estava tudo perfeito, tudo ótimo. Passado 1 mês, o médico solicitou outro ultrassom, sendo este agendado para o dia 26 de novembro de 2009. Vamos ao hospital eu, meu filho Pedro Henrique e minha mãe, sendo que papai Sandro não conseguiu sair aquele dia devido ao trabalho, mas como seria o primeiro tudo bem, poderia comparecer no próximo.



Examina daqui, mede dali, feto único medindo tantos milímetros (devia ser) tudo ótimo diz o médico e o Pedro Henrique diz: Doutor eu sonhei que eram gêmeos mas não é né? Não querido tem só um bebe. Tá e dá de escutar o coração do neném Doutor?! Ah sim, já estava esquecendo. Liga-se o aparelho do batimento e o Doutor fica mudo, mas continua mexendo e o Pedro Henrique que diz escuta vó o coração do neném, e nisso o Doutor fala: que estranho esse batimento. Doutor não me esconde nada o neném tem algum problema. o Sr.me fala já, porque conversei com meu irmão (que é médico) e ele me explicou que tem várias técnicas agora que se reverte até mesmo antes de nascer.



Calma querida não tem nenhum problema, eu estou escutando 2 corações. Gelei, sentei na cama, chamei ele de louco, para tudo Doutor vamos começar de novo, enquanto a alegria do Pedro Henrique ultrapassava o hospital, acredito eu. Doutor dois?! O senhor está sem noção, começa este ultrassom novamente. Sim Josiane terei de começar novamente para medir o outro bebe agora, estava um escondido nas costas do outro. Não escutei mais nada, só tremia, suava, gelada, pálida e muda. Minha mãe tentando me acalmar para o médico prosseguir o ultrassom e eu pensando como contarei ao Sandro.

Era uma mistura de sentimento, de sensações. Enfim o ultrassom terminou e eu já sai recebendo os parabéns do hospital inteiro, pois a alegria do irmão e de minha mãe contagiou o hospital. Consegui chegar na loja de meu esposo, ate hoje não sei como, pois tremia inteira, gelada, parecia defunto (risos...). Com o ultrassom em mãos entrei na sala dele e só consegui pronunciar as seguintes palavras: Você quer ser pai de um ou pode ser de dois? Não tenho muitas lembranças da fisionomia dele na hora, só me recordo que ficou mudo e foleava o ultrassom sem entender muita coisa. Consegui explicar-lhe algumas coisas que me recordava,porque o susto ainda prevalecia. 



Confesso que  a ficha não caia, meu esposo acalmou-se bem antes do que eu durante a semana, mas que não é fácil não é. Muitas perguntas lhe passam a cabeça sem resposta principalmente: Será que vou dar conta? Como será duas crianças, se uma já muda a vida da gente?! Mas enfim, era a realidade e tínhamos que cuidar agora, da mamãe principalmente que encontrava-se assustada demais. Foram várias consultas ao médico, vários ultrassons, vários exames, mas enfim chegou o grande dia. Ultima consulta e a data marcada 08.06.2010 as 14hs no Hospital São Sebastião de Turvo(sc).

Frio aquela terça de manha, noite mau dormida pelo papai que estava mais ansioso do que a mamãe que tentava relaxar porque sabia a tarefa a partir daquele dia. Fui para o hospital as 08 da manha, e as 14:32 nasceu Maria Eduarda (com 2700 e 46 cm) e as 14:34hs Maria Antônia (com 2800 e 47cm). Um fato muito engraçado neste momento, digo engraçado porque desde as 22 semanas que foi quando descobri o sexo delas o Dr.Roberto meu médico me aconselhou a chama-las pelos seus nomes, então definimos que a do lado direito seria uma e a do ado esquerdo seria outra e ao nascimento a primeira seria a Maria Antônia porque segundo o medico, pela tal posição a do lado direito nasceria primeiro. Na hora da anestesia meu barrigão gigante diz o anestesista pra mim não abaixa muito levante um pouco as pernas, assim facilita pra senhora e neste exato momento Maria Eduarda se mexe e fica a frente da irmã nascendo primeiro. Que confusão, tadinha da enfermeira que conforme nosso combinado Maria Antônia seria a primeira a nascer. Médico que dizia esta é Maria Eduarda, mas a enfermeira enfatizava: não Doutor o combinado não era esse e a pulseirinha já foi colocada, por fim eu já tinha olhado o primeiro bebe não troquei mais a fisionomia e disse deixa que depois resolvemos. Já no quarto conversei com a enfermeira mais tranquila e disse a ela: "Faça 2 novas pulseirinhas que eu sei como fazer, porque mãe que é mãe não troca o filho e vi lá no Centro Cirúrgico quem era quem".



Não precisaram de UTI, foram comigo já para o quarto e na quinta feira (2 dias após o parto) fomos para casa. Na verdade eu falo até hoje que é neste exato momento que a ficha da gente cai porque agora a função começa, as tarefas a serem cumpridas estarão sobre nossa responsabilidade, porque mesmo vendo no ultrassom, parece mentira tudo aquilo. Mas hoje já estão com 2 anos e 4 meses de muitas alegrias, muito amor, muito trabalho, mas acima de tudo muita paciência, pois aprendi nesse tempo todo, que esta palavra tem que sempre prevalecer, claro que as vezes a gente desce do salto, chuta a barraca como se diz, mas é normal né, porque só quem passa pelo trabalho duplo pra entender tudo isso. Mas a recompensa é maior sempre: 2 beijos, 2 abraços, 2 sorrisos, as 6:30hs da manhã falando: Mamãe eu já acodi, tá caio né e agora tá caioi (traduzindo tudo: eu já acordei, está claro e calor) hehehe.. Então com tudo isso a canseira passa, as vezes a noite mau dormida, nem é lembrada diante de tantas alegrias que elas proporcionam a gente.

Josiane, seja sempre bem vinda ao Portal Gemelares!

Gostou do 30º relato da Família Gemelares da Semana? 
Conheça quais foram as famílias que já passaram 
por essa coluna, clicando aqui ! 

Você quer ver a sua família no Gemelares, 
clique aqui e saiba como!


Gostou? Compartilhe!
Comentrios
0 Comentrios

0 comentrios:


Postar um comentário

Obrigada pela visita em breve retribuirei!

Blogroll - Mães Blogueiras

Inscreva-se:  

Decoração

Receitas

Vida de Mãe

 
Pin It button on image hover